Em Pauta

Epilepsia e festas de fim de ano: Como conviver bem entre remédios e celebrações

Portadores de epilepsia sabem que suas crises podem acontecer a qualquer instante, mesmo durante o período das festas de fim de ano. Por isso, vale conscientizar e alertar para os perigos da ingestão de bebidas alcoólicas por conta dos medicamentos. “Quem faz uso contínuo de remédios para o controle da epilepsia não pode parar de tomá-los e, por isso, também não deve ingerir bebida alcóolica, pois o medicamento terá sua eficácia diminuída”, explica o neurocirurgião Luiz Daniel Cetl, especialista em epilepsia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN).

No entanto, não há necessidade de ficar fora da festa, uma vez que a sociabilidade é importante para os portadores de epilepsia. Em caso de dúvida sobre a relação medicamento e bebida alcóolica, a recomendação é sempre consultar um médico, com consulta presencial.

Por último, o especialista adverte que, independente do uso de medicações, o consumo de álcool deve ser sempre moderado. “Há possibilidade de interferência significativa no sistema nervoso central, com diminuição da percepção dos sentidos do indivíduo. O álcool possui a mesma via de metabolização da grande maioria das medicações, de uso contínuo ou não (fígado), e a ingestão associada interfere diretamente no efeito da medicação e até do álcool. Pode tanto reduzir o efeito do remédio quanto potencializá-lo, e ambas as situações nos pacientes em uso de medicações continuas pode, significar uma descompensação de uma doença controlada”, ressalta o neurocirurgião Luiz Cetl.

Para mais informações sobre epilepsia, confira no link a seguir o videocast Epilepsia de A a Z: http://bit.ly/1KJlh9E

Fonte para entrevista:

Dr. Luiz Daniel Cetl é referência no tratamento das epilepsias e tumores cerebrais. Especialista pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), membro do grupo de tumores do Departamento de Neurocirurgia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e integrante da diretoria da Associação dos Neurocirurgiões do Estado de São Paulo (SONESP). Atua ainda como preceptor de cirurgia de tumores cerebrais no Departamento de Neurocirurgia da Unifesp.