Em Pauta

Voltas às aulas: alerta para o peso das mochilas

Neurocirurgião alerta para as consequências do peso das mochilas escolares para a coluna vertebral das crianças

As férias já estão chegando ao fim e muitos pais já começam a ir atrás dos materiais exigidos pelas escolas. Entre os itens da lista de compras, um tão importante quanto o lápis e o caderno é a mochila que abrigará todos os outros materiais. E neste caso, mais do que o peso no bolso, é preciso ficar atento ao peso nas costas, que em excesso, prejudica o desenvolvimento da coluna vertebral.

É o que alerta o neurocirurgião especialista em coluna vertebral, pela UNIFESP, Dr. Alexandre Elias, ao indicar que o ideal é que a criança ou adolescente não carregue mais que 10% do seu peso. “Como a lista de materiais costuma ser extensa e com muitos itens que pesam e precisam ser levados diariamente para a escola, o ideal é utilizar mochilas e malas com rodinhas, daquelas com o puxador rente à mão e com ajuste de altura. Além de mais confortáveis, evitam o sobrepeso e a má postura”.

Na impossibilidade de comprar uma mala de rodinhas, o especialista indica as mochilas que são presas também na região lombar, além de orientar o uso constante das duas alças, e não apenas uma em um lado do ombro. Outro fator importante é educar a postura, mantendo a coluna sempre ereta e o abdome para dentro, para a melhor distribuição do peso no eixo correto do corpo.

Dr. Alexandre Elias adverte que as orientações não são exageradas, visto que, na faixa etária de crianças e adolescentes, a coluna vertebral está em processo de crescimento, sendo o que a faz ser mais maleável e vulnerável à dor.

Aos pais que julgarem que a criança está carregando muito peso, o ideal é conversar com a direção da escola para analisar o que de fato é necessário estar na mochila no dia a dia. Caso seja possível, os colégios podem disponibilizar armários para que os alunos deixem os materiais e peguem apenas o que é de uso do dia.

Por fim, o médico indica que em caso de queixas de dor pela criança ou adolescente, é importante consultar um especialista em coluna.

Fonte para entrevista:
Dr. Alexandre Elias foi chefe do setor de cirurgia da coluna vertebral no Departamento de
Neurocirurgia da Unifesp (2010 a 2015) e, desde 2007, atuou como preceptor de cirurgia de coluna vertebral no Departamento de Neurocirurgia da Unifesp desde 2007. Membro do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho membro do Centro de Dor e Coluna do Hospital 9 de Julho, desde 2001
Especialista pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), pela Sociedade Brasileira de Coluna Vertebral (SBC), mestre pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e research fellow em cirurgia da coluna vertebral na University of Arkansas for Medical Sciences (EUA).