Em Pauta

Dia Nacional do Idoso: Direitos iguais a tratamento e qualidade de vida em todas as idades

No próximo 01 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Idoso, quando diversos serviços de saúde chamam a atenção para a necessidade de cuidados que atendam às necessidades da terceira idade. O tema é de grande importância, visto que a cada ano a população brasileira aumenta seu número de idosos, que precisam ser inseridos em ações que não apenas prolonguem suas vidas, mas que os proporcione mais qualidade no viver.

Como explica o neurocirurgião especialista em dor pela AMB (Associação Médica Brasileira), Dr. Claudio Corrêa, é comum doenças degenerativas surgirem com mais frequência na terceira idade, especialmente àquelas geradoras de dor, como as doenças reumatológicas, ósseas, as neuropatias, entre outras.

O tratamento da dor crônica no idoso é parecido com o indicado a uma pessoa jovem, via fármacos, reabilitação física, além de procedimentos cirúrgicos e suporte da terapia mental, quando necessário. Porém, deve-se ficar atento ao fato de nesta fase da vida o indivíduo já ter um consumo mais elevado de medicamentos, que podem gerar interação. Além disso, alguns medicamentos têm restrição de indicação devido a maior fragilidade do organismo com seus efeitos colaterais. É o caso de analgésicos anti-inflamatórios, por exemplo, que afetam a mucosa do estomago, rins, e outros.

Por isso, o médico destaca a importância de priorizar medidas educativas que estimulem na população os bons hábitos ao longo de toda a vida, para evitar as doenças ou adiar ao máximo o seu surgimento e consequências. A prática regular de atividade física, especialmente exercícios aeróbicos leves, ajudam na saúde cardiovascular; já a musculação ajuda na manutenção da força e do equilíbrio contra quedas. Uma alimentação saudável, equilibrada em nutrientes, mantém a energia necessária para o organismo se manter mais forte e resistente às doenças. Somando a isso, é importante manter uma vida social ativa e realizar checkups anuais para identificar possíveis doenças ainda no início, quando são mais fáceis de serem tratadas.

Por fim, dr. Cláudio destaca que o idoso não precisa se conformar com os problemas típicos de sua idade, porque que embora comuns, são tratáveis, como em qualquer idade e assim como quando jovem é seu direito manter uma vida mais plena.

Dr. Claudio Corrêa
Com mais de 30 anos de atuação profissional, Dr. Claudio Fernandes Corrêa possui mestrado e doutorado em neurocirurgia pela Escola Paulista de Medicina/UNIFESP. Especializou-se no tratamento da dor aliado a neurocirurgia funcional – do qual se tornou referência no Brasil e no Exterior.
É também o idealizador e coordenador do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, serviço que reúne especialistas de diversas especialidades para o tratamento multidisciplinar e integrado aos seus pacientes.

Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4734707Z5