Em Pauta

Nervo ciático e hérnia de disco: 06 informações que você precisa saber

Entre as principais queixas de dor lombar que acometem mais de 90% da população mundial, a mais prevalente e que causa mais procura médica, assim como faltas ao trabalho, é a dor do nervo ciático. No entanto, o que muita gente não sabe é que a dor ciática é um dos sintomas da hérnia de disco.

Para esclarecer o assunto, o neurocirurgião especialista em coluna pela Unifesp, o Dr. Alexandre Elias, separou 06 informações importantes:

1. O que é a hérnia de disco? – é uma doença que ocorre pelo desgaste ou trauma dos discos vertebrais lombares ou cervicais, que acabam por apertar as raízes nervosas que passam próximas a eles, gerando um processo inflamatório doloroso e muitas vezes incapacitante. A dor inicia na região das costas, passando pelas nádegas, chegando até a parte mais baixa de
uma ou das duas pernas. Outros sintomas da hérnia de disco são: formigamento, dormência e fraqueza de pernas e dedos.

2. Acometendo cerca de 2 milhões de brasileiros/ano, com dor de média à alta intensidade, quando em estágios mais avançados, a hérnia de disco pode impossibilitar o indivíduo de realizar atividades comuns, como levantar, sentar e andar.

3. Dor do nervo ciático não é doença, mas sintoma - Embora seja comumente relatada como uma doença, a dor ciática é na verdade um sintoma da hérnia de disco. A causa mais comum tem relação com os processos degenerativos, ou seja, as alterações que apresentamos quanto mais velhos ficamos. Outras causas mais prevalentes para o seu surgimento são: atividades físicas pesadas, posturas erradas, obesidade e fraturas na coluna e até tumores.

4. Idade prevalente da doença – Embora seja mais frequente em pessoas entre 30 e 50 anos, ela pode surgir antes ou depois desta faixa etária, seja por fatores genéticos ou qualquer outra atividade que sobrecarregue e desgaste os discos vertebrais.

5. Diagnóstico – O diagnóstico inicial da hérnia de disco é clínico, com base nos relatos de dor e atividades do paciente, que poderá ser somado a exames de imagem, como a ressonância magnética.

6. Tratamento – O tratamento de base para 90% dos casos é realizado com medicamentos (anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares), atividades de correção postural, fisioterapia e infiltrações. Para os quadros críticos e resistentes aos tratamentos conservadores, é indicada cirurgia minimamente invasiva ou convencional para descompressão da raiz nervosa, com cerca de 95% de resposta positiva.

Acompanhe um infográfico ilustrativo com os detalhes da hérnia de disco aqui: http://www.baruco.com.br/blog/Dr.AlexandreElias-InfograficoHerniadeDisco...

Confira também uma vídeorreportagem especial sobre o tema aqui: https://www.youtube.com/watch?v=N4ySxFUoOEI

Fonte para entrevista:
Dr. Alexandre Elias é chefe do setor de cirurgia da coluna vertebral no Departamento de Neurocirurgia da Unifesp, desde 2007, membro do Centro de Dor e Coluna do Hospital 9 de Julho.

Especialista pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), pela Sociedade Brasileira de Coluna Vertebral (SBC), mestre pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e research fellow em cirurgia da coluna vertebral na University of Arkansas for Medical Sciences (EUA).